Perda ou Perca, qual a maneira certa de usar?

Você já ouviu falar de parônimas? Parônimas é um termo usado para referenciar duas palavras que se pronunciam de formas iguais, por suas grafias serem quase que idênticas.

As parônimas que abordaremos a seguir serão as palavras Perda e Perca, qual o uso correto?

É extremamente comum as pessoas duvidarem de qual dos termos é o correto, quando deferia-se usá-los e quando usá-los. Quem nunca se deparou com a situação de: Bati minha moto. Ela deu perda total ou perca total?

Conceitos

Antes de você concluir estar ou não errado em pronunciar alguma dessas palavras, vamos entender cada um de seus conceitos.

Perca:

A palavra “Perca” nada mais é que o modo verbal da palavra (no caso, outro verbo) perder. Quando conjugamos tal verbo, podemos encontrar “Perda” tanto na primeira como na terceira pessoa do singular, quando em presente subjuntivo. Ou até mesmo na Terceira Pessoa do singular caso seja pronunciado no imperativo.

  • Primeira pessoa do singular: Quando no presente do subjuntivo: Perca.
  • Primeira pessoa do singular: Quando no presente do subjuntivo: Perca.
  • Terceira pessoa do singular: Apenas quando no imperativo: Perca.

 Exemplos:

  • Tomara que ele não perca a hora da prova!;
  • Meu pai não quer que eu perca meu dinheiro;
  • Nunca perca a esperança em suas convicções!;
  • Espero que meu pai não perca o jogo de futebol deste domingo. Seu time estará na final.

Perda:

Por outro lado, temos a Perda, que corresponde a um substantivo feminino, que possui também o mesmo significado que perca. Porém, no sentido de perda privada, perda sofrida, perda de alguém ou algo próximo. Quando, por exemplo, você se priva de algo de sua vida, seja lá um pessoal ou objeto, o sentido de Perda é pertinente ao caso. Isso, pois, o dano foi sofrido por você, ou seja, você tinha algo e, por prejuízo, a perdeu.

Exemplos:

  • Todos nós estamos muito abalados, por causa da perda do Mundial.
  • Em virtude da perda de minha cunhada, eu me encontrava muito triste neste sábado, à noite.
  • A perda dos valores morais e cívicos, faz-nos declarar guerra contra a ordem.